© News Farma 2019
Todos os direitos reservados

O acesso à área reservada do Cardio Talks, bem como a receção das suas newsletters é restrita a profissionais de saúde.

quarta, 05 dezembro 2018 11:07
Mais-valias da proteção vascular no contexto da doença arterial periférica
Mais-valias da proteção vascular no contexto da doença arterial periférica

Um dos ilustres convidados pela Bayer a participar no evento Alliance Forum for Vascular Protection foi o Dr. Carlos Aguiar, cardiologista do Hospital de Santa Cruz, que teve a responsabilidade de apresentar as necessidades médicas não atendidas dos doentes com doença arterial coronária e doença arterial periférica (PAD), assim como os números associados a estas duas patologias em Portugal. Uma das principais mensagens da sua palestra, reforçada em entrevista ao Cardiotalks, foi de que a “PAD tem sido menos diagnosticada”. Assista ao vídeo e saiba por que é que estes doentes podem “beneficiar de uma intensificação da proteção vascular”.

Além de menos diagnosticada, a PAD “não tem sido muito estudada em ensaios clínicos”. Quem o afirma é o Dr. Carlos Aguiar, reforçando que os profissionais de saúde têm reunido maiores esforços em torno do “risco aterosclerótico e aterotrombótico da doença coronária”.

Diz o cardiologista que, durante o evento, fico patente a exitência de “um problema de falta de diagnóstico” e da necessidade maior atenção “à realidade do doente polivascular”, ou seja, aquele “tem envolvimento de vários territórios arteriais”, uma vez que “esses doentes são um grupo que tem um risco trombótico particularmente alto que pode beneficiar de uma intensificação da proteção vascular”.

“Sem ser as de hipertensão arterial, as terapêuticas antidislipidémicas não são particularmente eficazes a baixar o risco de acidente vascular cerebral (AVC) e é agora interessante reparar que temos uma alternativa diferente que permite reduzir quase em metade o risco de AVC isquémico”, destaca o Dr. Carlos Aguiar, referindo-se à dose reduzida de rivaroxabano 2,5 mg duas vezes ao dia em associação com aspirina, estudada no ensaio clínico COMPASS.

Para concluir, o palestrante sublinha que com esta alternativa, “é possível reduzir a mortalidade”, isto é, “devolver esperança de vida a estas pessoas através desta estratégia de proteção vascular”.

Seta Anterior
Artigo Anterior
Seta Anterior
Próximo Artigo