© News Farma 2019
Todos os direitos reservados

O acesso à área reservada do Cardio Talks, bem como a receção das suas newsletters é restrita a profissionais de saúde.

ESC2018

segunda, 27 agosto 2018 22:56
“Este é o grande encontro da Cardiologia europeia”
“Este é o grande encontro da Cardiologia europeia”

Ao terceiro dia do ESC 2018, o Prof. Doutor Victor M. Gil, presidente eleito da Sociedade Portuguesa de Cardiologia, partilha alguns dos assuntos que, na sua perspetiva, são as principais novidades desta edição do Congresso, enaltecendo a apresentação das novas guidelines – em particular as referentes à hipertensão arterial e à revascularização do miocárdio – e as atualizações sobre terapêuticas. Em conversa com o Cardiotalks, o coordenador da Unidade Cardiovascular do Hospital Lusíadas Lisboa menciona ainda um “assunto em cima da mesa” que preocupa os representantes máximos das várias sociedades: os modelos de financiamento das iniciativas científicas. Assista ao vídeo da entrevista.

De acordo com o Prof. Doutor Victor M. Gil, a “atividade muito intensa” caracteriza o Congresso da Sociedade Europeia de Cardiologia, fruto de um programa científico vasto, mas não só: “Este é o grande encontro da Cardiologia europeia. E, portanto, naturalmente, é aqui que vamos ouvir as novidades, que vamos debater, que vamos encontrar pessoas, vamos trocar impressões, vamos combinar reuniões e temos reuniões”.

Relativamente às novidades, o especialista afirma que há positivas e negativas. Começando pelas primeiras, o Prof. Doutor Victor M. Gil refere as novas guidelines em “áreas muito importantes”, como a hipertensão arterial. “Talvez destacasse aqui uma maior liberalidade nos critérios de tratar hipertensão nos idosos”, diz o coordenador da Unidade Cardiovascular do Hospital Lusíadas Lisboa, considerando, no entanto, que este deve ser um ponto “encarado com alguma prudência”. Também as novas orientações europeias quanto à revascularização do miocárdio merecem atenção por parte do Prof. Doutor Victor M. Gil, por serem “detalhadas em muitos aspetos”. Na visão do especialista, as terapêuticas são um tema igualmente importante, dando como exemplo o tratamento de doentes com fibrilhação auricular com anticoagulantes: “Ainda era clássico que a anticoagulação tivesse que ser com a varfarina. Neste momento já se aceita que possa ser com os novos anticoagulantes orais.

Para terminar a sua apreciação global ao evento, o Prof. Doutor Victor M. Gil explica que esteve presente na reunião dos órgãos máximos das várias Sociedades médicas, na qualidade de presidente eleito da Sociedade Portuguesa de Cardiologia, e menciona “um dos assuntos em cima da mesa”, os modelos de financiamento das iniciativas científicas a nível europeu. “Existe um conjunto de legislações que se tornaram restritivas”, declara, alertando para a necessidade “de percorrer um caminho muito grande” para que os encontros médicos e científicos “continuem a chegar às pessoas”.

Seta Anterior
Artigo Anterior
Seta Anterior
Próximo Artigo