© News Farma 2019
Todos os direitos reservados

O acesso à área reservada do Cardio Talks, bem como a receção das suas newsletters é restrita a profissionais de saúde.

terça-feira, 07 maio 2019 17:15
Dose vascular de rivaroxabano no doente com doença coronária crónica e comorbilidades
Dose vascular de rivaroxabano no doente com doença coronária crónica e comorbilidades

“Abordagem integrada da proteção cardiovascular” foi o tema do simpósio patrocinado pela Bayer que decorreu no primeiro dia do Congresso Português de Cardiologia (CPC) 2019 e que contou com as intervenções de quatro especialistas nacionais, entre os quais o Prof. Doutor Ricardo Fontes-Carvalho. No final da sessão, o CardioTalks conversou com o cardiologista do Centro Hospitalar de Vila Nova de Gaia/Espinho (CHVNG/E), que fez um resumo da sua apresentação, cujo foco foi o estudo COMPASS e os dados relativos à redução de eventos cardiovasculares e da mortalidade total, particularmente em quatro subgrupos de doentes que mais podem beneficiar do tratamento com a dose vascular de rivaroxabano.  Assista às declarações em vídeo.

Segundo o Prof. Doutor Ricardo Fontes-Carvalho, durante a sessão foi discutido “o melhor tratamento possível para aquele doente que tem doença coronária crónica”, com base nos dados do COMPASS, um ensaio clínico que incluiu “doentes já com terapêutica médica otimizada” para se avaliar o efeito da dose vascular de rivaroxabano (2,5 mg duas vezes/dia) em conjunto com a aspirina (100 mg/dia), versus aspirina 100 mg/dia.

Tal como descrito pelo cardiologista do CHVNG/E, neste estudo observou-se “uma redução de cerca de 26% do risco de ter um evento cardiovascular”. Outro dado que o Prof. Doutor Ricardo Fontes-Carvalho destaca pela sua importância prende-se com a mortalidade total: “Houve também uma redução significativa e, portanto, um aumento da sobrevida do doente que faz esta terapêutica”.

“Sabemos que esta intervenção é útil para a grande maioria dos doentes com doença coronária crónica, mas há subgrupos de doentes que mais beneficiam desta terapêutica”, afirma o especialista, referindo-se aos doentes com doença vascular periférica, diabetes, doença renal ou insuficiência cardíaca.

Além do Prof. Doutor Ricardo Fontes-Carvalho, estiveram também presentes no simpósio o Prof. Doutor João Morais e os Drs. Daniel Ferreira e Carlos Aguiar.

Seta Anterior
Artigo Anterior
Seta Anterior
Próximo Artigo