© News Farma 2019
Todos os direitos reservados

O acesso à área reservada do Cardio Talks, bem como a receção das suas newsletters é restrita a profissionais de saúde.

ESC 2019

sábado, 31 agosto 2019 19:52
Síndrome coronário agudo: desenvolvido um modelo preditivo de mortalidade a um ano
Síndrome coronário agudo: desenvolvido um modelo preditivo de mortalidade a um ano

A Dr.ª Teresa Faria da Mota, do Centro Hospitalar Universitário do Algarve, marcou presença no ESC 2019. A médica participou na Poster Session intitulada “Acute coronary syndromes: risck scores” onde apresentou “um modelo preditivo de mortalidade a um ano em doentes admitidos por síndrome coronário agudo”. O Cardio Talks falou com a especialista. Assista ao vídeo da entrevista.

“NAS2H score, a novel predictive score of 1 – year all cause mortality in Acute Coronary Syndromes” foi o título de um dos pósteres que evidenciou a (massiva) presença portuguesa no ESC 2019. A Dr.ª Teresa Faria da Mota refere que o objetivo passou por “criar um modelo preditivo de mortalidade a um ano em doentes admitidos por síndrome coronário agudo”. A especialista identifica o grupo de doentes em causa como heterogéneo e que, a longo prazo, acarretam riscos variáveis de complicações e mortalidade.

“O que tentámos perceber foi se seria possível, com variáveis clínicas facilmente adquiríveis à admissão do doente, conseguir prever qual o risco de complicações”, refere a Dr.ª Teresa Faria da Mota. Para isso recorreu-se a “um registo de doentes admitidos nosso serviço de Cardiologia entre 2010 e 2017”. Com um follow-up a um ano, o objetivo passou por recolher as variáveis preditoras de mortalidade.

Foi então possível desenvolver uma aplicação digital que rapidamente nos permite calcular um score com um poder discriminante de 75% para mortalidade ou sobrevivência”, explica.

A vantagem desta ferramenta é essencialmente, no momento de admissão do doente, “conseguirmos perceber quais os doentes com maior risco de mortalidade a fim de sermos mais agressivos no tipo de intervenções que efetuamos”, acrescenta a especialista.

Seta Anterior
Artigo Anterior
Seta Anterior
Próximo Artigo