© News Farma 2019
Todos os direitos reservados

O acesso à área reservada do Cardio Talks, bem como a receção das suas newsletters é restrita a profissionais de saúde.

ESC 2019

quarta-feira, 04 setembro 2019 10:32
Apneia do sono: uma comorbilidade frequente em doentes com insuficiência cardíaca
Apneia do sono: uma comorbilidade frequente em doentes com insuficiência cardíaca

O Dr. Bruno Rocha, interno de Cardiologia do Hospital de Santa Cruz, apresentou um trabalho desenvolvido no decorrer do seu estágio em Medicina Interna, no formato de póster, no ESC 2019 sobre o rastreio da apneia do sono na insuficiência cardíaca (IC). Em entrevista ao Cardio Talks, o médico explica as principais conclusões retiradas do mesmo. Assista ao vídeo da entrevista.

O jovem interno começa por sintetizar que o que foi essencialmente feito passou por rastrear e avaliar a apneia do sono, com base na definição universal deste conceito, em doentes com insuficiência cardíaca “que é algo que se faz de uma maneira rotineira na unidade de insuficiência cardíaca”.

O Dr. Bruno Rocha explica que os doentes, por rotina, fazem um apnealink de forma a avaliar se têm, ou não, apneia do sono. O médico prossegue e refere que com base nos dados recolhidos, após uma análise retrospetiva, foram avaliadas as características basais dos doentes. A amostra onde assentaram os resultados da investigação por si apresentada foi de 228 doentes.

“Em termos de resultados, o que foi observado é que se verifica uma correlação boa entre o índice de apneia hipopneia e o índice de dessaturação”, adianta o Dr. Bruno Rocha. “Por outro lado, verificou-se que existe uma boa correlação entre a saturação média noturna com o T90 – tempo que o doente passa durante a noite com uma saturação abaixo de 90%”, acrescenta.

Segundo o médico, este estudo demonstra que a apneia do sono é muito frequente na população com insuficiência cardíaca. “Eu diria que são dados promissores. É uma investigação que apresenta bons dados epidemiológicos em doentes já com um primeiro evento de hospitalização e, portanto, constitui um contributo para uma comorbilidade extremamente frequente na insuficiência cardíaca e ainda pouco estudada onde ainda há muito para saber”, refere o jovem interno.

Seta Anterior
Artigo Anterior
Seta Anterior
Próximo Artigo