© News Farma 2019
Todos os direitos reservados

O acesso à área reservada do Cardio Talks, bem como a receção das suas newsletters é restrita a profissionais de saúde.

ESC 2019

quarta-feira, 04 setembro 2019 15:30
A insuficiência cardíaca em Portugal
A insuficiência cardíaca em Portugal

Organizada pela Sociedade Portuguesa de Cardiologia (SPC), a sessão "Heart Failure ‑ The 'Big Picture'" contou com a participação de um painel de especialistas nacionais para evidenciar o panorama da insuficiência cardíaca em Portugal. “Registry and survey information on heart failure in Portugal” foi o título da preleção da Dr.ª Brenda Moura, cardiologista no Hospital das Forças Armadas (polo do Porto), que conversou com o Cardio Talks e resumiu alguns dos dados apresentados, destacando-os pela sua importância. Assista ao vídeo.

Para a sua apresentação, a Dr.ª Brenda Moura recorreu aos dados epidemiológicos do HFA Atlas e do ESC-HFA Long-Term Heart Failure Registry, dos quais foi possível extrair informações relevantes.

De acordo com a cardiologista, em Portugal já se aproveita a fase de internamento dos doentes para ser feita a otimização terapêutica. “Claramente, o número de doentes que fazem as terapêuticas que modificam o prognóstico à data de alta é muito superior ao dos doentes que efetua a terapêutica quando é internado”, refere a Dr.ª Brenda Moura.

Outro aspeto importante destacado pela especialista prende-se com o facto de se ter verificado, após análise dos dados supramencionados, que numa população de doentes com insuficiência cardíaca com fração de ejeção abaixo dos 45%, "uma grande parte faz terapêutica, quer com IECA/ARA II, quer com beta-bloqueador", assim como antagonistas dos recetores mineralocorticoides. A Dr.ª Brenda Moura sublinha ainda que "os doentes que estão subtratados são muito poucos”.

“Acho que, apesar de tudo, e relativamente à terapêutica crónica da insuficiência cardíaca, cumprimos muito bem as guidelines e aproveitamos um momento importante que é o internamento do doente a fim de otimizar a terapêutica”, conclui.

Seta Anterior
Artigo Anterior
Seta Anterior
Próximo Artigo